quinta-feira, 22 de março de 2018

Samba do Rosário, abrindo os trabalhos de 2018!

Depois de um longo período de espera a Comunidade Roda de Samba do Largo do Rosário retoma suas atividades de 2018 com força total no sábado, dia 31 de março, a partir das 10:00 com a exposição dos produtos afro-brasileiros do Coletivo Feira Afro Meninas Mahin e a Roda de Samba a partir das 14:00.
E no mês de celebração da força feminina teremos uma convidada super especial: Flávia Souza.
Flavia nasceu no município de Guarulhos é sambista, amante do samba raiz, cantora e faz parte de uma família festeira, desde os 15 anos já cantava nas rodas de samba no quintal de sua casa. Em sua formação musical e repertório, Flavia tem como referências principais: Jovelina Pérola Negra, Dona Ivone Lara, Beth Carvalho, Clara Nunes, Almir Guineto, Roberto Ribeiro, Zeca Pagodinho, Quinteto em Branco e Preto, Emersson Ursoo, Jorge Aragão, Luiz Carlos da Vila, entre outros.


#FomentoCulturaDaPeriferiaEd1

quarta-feira, 14 de fevereiro de 2018

A história do nascimento de um Cordão de Carnaval


O primeiro domingo de fevereiro viu desfilar pelas ruas da Penha de França a história de uma mulher negra cantada com entusiasmo pelos devotos, amigos e integrantes da Comunidade do Rosário. A alegria, marca registrada dos fiéis das celebrações de atabaques, encontrou lugar no bloco penhense que resgatou a tradição dos antigos carnavais de rua, contagiando todo o bairro e arrastando vários foliões durante a apresentação do Cordão da Dona Micaela.


Após a celebração realizada como sempre no primeiro domingo de cada mês, os foliões animados se concentraram no largo em frente à Igreja, portando fantasias em cores alegres e ensaiando as músicas elaboradas pelos compositores J. E. Tico, Renato Gama, Ronaldo Gama, Mariana Per e Tita Reis exclusivamente para o Cordão. Antes de iniciar o desfile, houve a representação da parteira homenageada pelo bloco pela atriz Edi Cardozo e o nascimento simbólico deste nosso “filho”, o Cordão de Dona Micaela que veio ao mundo aos olhos atentos dos foliões. O pavilhão ao sair das portas da Igreja, foi dado a porta-estandarte Claudia Adão e teve início o desfile.


Por onde passava o Cordão da Dona Micaela, os moradores acenavam e vinham a janela olhar o desfile, surpresos e animados por verem ressurgir um carnaval com as tradições penhenses. Muitos foram os que largaram seus afazeres e entraram na folia, aprendendo as músicas do cordão e, consequentemente, entrando em contato com a história de uma mulher negra cuja importância lhe rendeu o nome de uma praça no bairro. O cortejo teve seu desfecho na praça Dona Micaela, e ali os ritmistas fizeram várias evoluções animados pelos foliões que entoavam  marchinhas famosas do carnaval.



O nascimento do Cordão da Dona Micaela foi assim: teve alegria, folia, festa, canto, bateria e samba no pé... A seguir algumas imagens de Sérgio Cruz deste desfile, para matar a saudade dos que estiveram no nosso carnaval e deixar quem não esteve, louco para comemorar conosco o primeiro aniversário de nosso bebê!







Texto: Fabrício Forg
Edição: Patricia Freire

Para ver o álbum completo de Sérgio Cruz:

#FomentoCulturaDaPeriferiaEd1

segunda-feira, 22 de janeiro de 2018

Abrindo o ano com "Samba das Pretas" no Rosário

É com muita felicidade que a Comunidade do Rosário recebe "SAMBA DAS PRETAS" dia 27/01/2018 em mais uma Roda de Samba do Largo do Rosário da Penha.

O grupo "SAMBA DAS PRETAS" surge da união de seis mulheres moradoras do bairro Cidade Tiradentes, que juntas usam o samba como símbolo de resistência aos problemas sociais, em especial, aqueles que as mulheres pretas enfrentam em seu cotidiano, tanto em relação à discriminação de raça e classe quanto no que se refere à desigualdade de gênero.
O repertório tem como destaque canções compostas e/ou interpretadas por mulheres que fazem parte da história do samba, como: Jovelina Pérola Negra, Clementina de Jesus, Leci Brandão, Beth Carvalho, Dona Ivone Lara, entre outras.

FICHA TÉCNICA:
Elaine Mineiro (voz e tamborim)
Lucimara Nunes (voz e repique)
Natali Conceição (cavaco)
Petra (tan tan)
Ingrid Maria (pandeiro)
Kate Kathleen (rebolo)

#FomentoCulturaDaPeriferiaEd1


quarta-feira, 13 de dezembro de 2017

Carnaval 2018: estréia do "Cordão da Dona Micaela" na Penha

No dia 4 de fevereiro (domingo) durante o pré carnaval 2018 a Comunidade do Rosário colocará o bloco na rua, ou melhor, o Cordão da Dona Micaela na rua, concentrando no Largo do Rosário da Penha a partir das 14:00 após a Celebração Afro-brasileira de fevereiro.

O cordão tem como homenageada a parteira Dona Micaela Vieira, que na virada do século XIX para o XX exerceu a função de parteira no bairro Penha de França.
Na Penha Micaela ganhou o nome da praça localizada no inicio da Av. Amador Bueno da Veiga, um dos poucos casos de pessoas negras presentes em nomes de ruas na cidade, sendo o local onde o cordão terminará seu percurso.
O Cordão contará com diversas participações e um corpo musical composto de percussão e sopros fazendo referência aos antigos cordões carnavalescos paulistas.
Já começamos os preparativos dessa festa que conta com apoio do Centro Cultural da Penha, Prefeitura Regional Penha e patrocínio do Programa Fomento à Cultura da Periferia da Secretaria Municipal de Cultura.
Para participar do cordão o folião poderá vir com fantasia ou camiseta com as cores do Cordão da Dona Micaela: amarelo, vermelho e/ou branco.

A fim de obtermos mais informações sobre Dona Micaela Vieira pedimos a contribuição de moradores do bairro, pesquisadores, artistas, etc. que tenham indícios, imagens, depoimentos, entre outros documentos referente a parteira ou seu filho João da "Micaela", violonista  que tocava serestas  e chorinho numa banda composta por: Pelegrino Matarazzo (flauta), Bruno Gozzoli (pandeiro), Júlio Casagrande (clarinete), Waldomiro (violão) e Antônio (cavaquinho).
As referências são do livro não publicado "Penha de ontem, Penha de de hoje". 1972 de Hedemir Linguitte (acervo Movimento Cultural Penha).

Para mais informações: largodorosario.penha@gmail.com ou pelo telefone (11) 2306-3369 (falar com Julio ou Patricia do Movimento Cultural Penha)

#FomentoCulturaDaPeriferiaEd1
#DonaMicaela


quarta-feira, 6 de dezembro de 2017

Projeto Samba do Mês.


O Projeto Samba do Mês, organizado  pela Comunidade Roda de Samba do Rosário apresenta neste dia 09/12/2017 a partir das 20h no Teatro Martins Penna, que fica no Centro Cultural da Penha  as dez  composições ganhadoras.   Para saber mais, sobre o projeto e as composições entre na página acima.


segunda-feira, 20 de novembro de 2017

As cores da felicidade


Escolhido por coincidir com o dia atribuído à morte de Zumbi dos Palmares em 1695, o dia 20 de novembro é dedicado à reflexão sobre a inserção da população negra na sociedade brasileira contemporânea. 

Certamente ainda não temos grandes motivos para comemorar, e um simples olhar para o cotidiano já revela a desigualdade social. Contudo, nossos ancestrais reservaram inúmeros monumentos para nos recordar de sua coragem, nos estimulando a permanecer fortes enquanto vivermos. Um destes testemunhos ainda resiste bravamente no bairro da Penha: a Igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos da Penha de França.

Fruto da Irmandade de negros escravizados estabelecida nesta região desde 1755, o edifício construído a partir de 1802 é uma herança daqueles negros deixada para nós, seus filhos! Por mais que o tempo tenha gerado seus efeitos sobre o patrimônio tombado, ele continua ali, forte, ainda que erguido com paredes de um material aparentemente frágil como o barro, disposto a acolher todos os que chegam precisando de acolhimento. Quanta sabedoria, criar um espaço cuja grandiosidade pode ser vista com os olhos e o coração! 

Embora sejamos alguns, nós da Comunidade não temos condições de abraçar e sorrir a todos os negros que ainda resistem bravamente em suas lutas diárias! Contudo podemos mentalizar para que a força dos ancestrais que viveram na Penha do século XVIII possam despertar coragem, sabedoria, fé, a fim de que este dia 20 seja capaz de renovar a missão primeira de cada negro: ser feliz!

A você homenageado de hoje, orgulhoso de ter a cor do grande Zumbi, receba nosso maior abraço e nosso melhor sorriso: o negro! Salve o povo negro! Salve São Benedito! Salve Zumbi!

Por Fabrício Forganes Santos


Fotos: Osmar Moura

terça-feira, 10 de outubro de 2017

Celebração do mês de outubro

A celebração que ocorre todo primeiro domingo do mês, teve em outubro motivos que a tornaram muito especial. Primeiro, neste mês comemoramos os padroeiros da igreja; São Benedito, Nossa Senhora do Rosário e a do Brasil; Nossa Senhora Aparecida.
Neste mês também temos o dia das crianças, além de ter ocorrido a benção das alianças de um ano de união do casal: Heitor e Lígia.
 Por fim, completamos quatro anos de celebração  e sempre servindo no final o café de São Benedito.